O fim da Coleção Vaga-Lume?

coleção-vaga-lume 01

Em meio às comemorações de seus 50 anos, a editora Ática acaba de anunciar que está encerrando suas atividades. O que nos leva a uma pergunta, qual será o destino da Coleção Vaga-Lume, a mais famosa série da editora?

Criada em 1972, a Coleção Vaga-Lume é a mais famosa e bem sucedida coleção de livros invantojunenis da história do Brasil. Além do cuidadoso trabalho na seleção de autores, um dos grandes trunfos da coleção foi não ter medo de produzir tiragens de até 100 mil exemplares de um único livro, processo que ajudou a baratear o material e se mostrou essencial para que a coleção fosse adotada como leitura obrigatória em escolas públicas de todo o país.

Reeditando livros antigos ao mesmo tempo em que lançava novos materiais e publicava diferentes gêneros, a Coleção Vaga-Lume pode ser lembrada por clássicos como A Ilha Perdida (Maria José Dupré), que teve sua primeira edição em 1945 e ainda hoje consegue atrair novos leitores contando a história de dois jovens irmãos que decidem explorar uma ilha misteriosa; Menino de Asas (Homero Homem), que teve sua primeira publicação em 1968 e era praticamente uma versão brasileira dos X-Men, mostrando a história de um garoto que nasceu com asas no lugar dos braços e precisava lutar contra uma série de preconceitos; e não podemos esquecer autores que escreveram diversas obras para a coleção, como Lúcia Machado de Almeida com as aventuras do jovem herói Xisto, a ficção científica Spharion (1979) e o suspense no mundo dos insetos O caso da Borboleta Atíria (1972), além do campeão de vendas Marcos Rey e todos os seus livros de suspense para adolescentes, com destaque para O Mistério do Cinco Estrelas (1981).

A coleção Vaga-Lume foi responsável pela transição da literatura infantil para a juvenil de gerações de leitores, o que ajuda a explicar sua fama e seus números, com mais de 90 livros publicados e vendas impressionantes. Em contagem não-oficial, todas as edições de O Mistério do Cinco Estrelas ultrapassaram os três milhões de exemplares vendidos.

Com o fechamento da Ática, é difícil prever qual será o futuro da coleção, que já andava parada há algum tempo. Seu último lançamento inédito foi O Mestre dos Games, de Afonso Machado (2008). Comprada pelo grupo Somos Educação (ex-Abril Educação), existe a promessa de que o projeto da Ática em reeditar alguns livros da Coleção terá continuidade. Mas os funcionários recém-demitidos da Ática afirmam que a Somos pretende continuar com o projeto até o final do ano e que depois não pretende mais investir na linha infantojuvenil, para concentrar esforços no bilionário mercado de livros didáticos.

Aqui no Popground, esperamos que a Somos Educação cumpra com sua promessa de manter a Coleção Vaga-Lume. A série é um verdadeiro patrimônio da literatura infantojuvenil brasileira e foi a porta de entrada para milhões de leitores em gêneros como fantasia, suspense e ficção científica. Entendemos que parte do catálogo tenha envelhecido, mas ainda assim acreditamos na força da série como um todo.

Longa vida a Coleção Vaga-Lume!

Compartilhe!

Author: André Morelli

Vida louca e próspera. morelli@popground.com.br

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>