Resenha: Rua Cloverfield, 10 – Haja fôlego

Rua Cloverfield, 10

Quando se ouve falar em Cloverfield logo nos lembramos do filme de 2008, Cloverfield – Monstro, filmado com a câmera na mão, no meio de muita correria e gritos. Já em Rua Cloverfield, 10 a trama é diferente e bem mais trabalhada, aliás, muito bem, numa atmosfera de opressão, meio claustrofóbica, eu diria.

Não espere deste novo filme uma sequência, pelo menos não parece. As conexões são praticamente nulas, a não ser pelo título.

E, é ainda mais divertido assistir um filme que promete momentos de suspense, sustos e algumas surpresas quando ele é produzido pelo diretor, roteirista e produtor J.J.Abrams (Super 8 e Star Wars: O Despertar da Força), em parceria com o diretor Dan Trachtenberg.

Quase um estreante, Trachtenberg ainda não é conhecido no Brasil, mas já produziu um curta que chamou a atenção, Portal: No Escape. E certamente, ele será lembrado a partir de hoje, estreia de Rua Cloverfield, 10 nas salas brasileiras.

Na trama, Michelle (Mary Elizabeth Winstead) sofre um acidente de carro e acorda dentro do quarto de um bunker construído e mantido pelo fazendeiro Howard (John Goodman). Segundo ele, a jovem está ali para poder sobreviver, já que a Terra está sendo atacada. Dentro do abrigo também está Emmett (John Gallagher Jr) que parece acreditar em Howard.

Desde o início de Rua Cloverfield, 10, Michelle quer saber mais da situação, mas Howard está sempre no comando, e assim como todos ali, ele conta somente o que interessa. O filme é muito bom, sem ser óbvio e ainda consegue ter momentos engraçados em meio ao ar pesado que se respira dentro das paredes da suposta prisão.

Todos os atores estão impecáveis, Mary Elizabeth nos dá o que já esperamos dela, assim como John Gallagher, mas John Goodman está enorme, e isso não é só pelo formato periférico do seu corpão, é porque ele dá medo de verdade. Um cara perturbado, desses que estocam toneladas de alimentos numa fazenda por anos, com isso ele acredita estar de fato seguro. Mas sempre dá para piorar. Some isso a um lugar ermo, uma estrada e uma eminente ameaça.

Rua Cloverfield, 10 vale e muito a ida ao cinema. Vá por J.J. Abrams e Trachtenberg, e pelo suspense sem pretensões, que se revela um excelente entretenimento.

Compartilhe!
Giseli Miliozi

Author: Giseli Miliozi

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>