Resenha – Mad Max: Estrada da Fúria

Mad-Max-estrada-da-furia 02

Depois de 30 anos sem lançar nada de novo da franquia, George Miller retorna com o impressionante Mad Max: Estrada da Fúria, filme que consegue ser um reboot da série e ao mesmo tempo se manter fiel a todo o universo pós-apocalíptico criado pelo diretor.

No ano de 2060, os sobreviventes de uma terra devastada simplesmente vivem um dia após o outro. Quase sem resquícios da civilização de outros tempos, a luta por água, comida e combustível desumanizou a todos. Esse é o mundo de Max Rockatansky (Tom Hardy), um solitário ex-policial que simplesmente segue em frente, movido por um instinto primitivo de sobrevivência.

Mas as coisas mudam para Max depois de ser capturado pelas forças de Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne), um maníaco que controla os poucos recursos naturais da região. Immortan subjuga todos a seu redor graças aos Garotos de Guerra, um exército de jovens criados sob uma abjeta religião que louva o cromo e a velocidade e tem na figura do tirano uma espécie de deus.

Max acaba se envolvendo no início de uma rebelião quando uma mulher conhecida como Furiosa (Charlize Theron) foge dos domínios de Immortan com seu bem mais precioso: suas cinco esposas mantidas como escravas. Esse é o início de uma caçada em que o maníaco não vai medir esforços até ter suas “propriedades” de volta.

O novo Mad Max não é uma história fácil. Com personagens de poucas falas e que mal conseguem se comunicar uns com os outros, Estrada da Fúria é praticamente uma perseguição contínua por um deserto sem fim, onde a opção de parar simplesmente não existe.

Miller dá um passo além dentro do universo da franquia. Buscando referências de tudo o que foi produzido no gênero pós-apocalíptico depois de seus filmes (em especial os games), a jornada de Max apresenta um cenário tão desolado que não é permitido aos personagens nem ao menos sentir esperança.

Com cenas de destruição em que os efeitos práticos se unem em total sinergia aos efeitos digitais e com uma desorientadora trilha sonora que preenche o vazio hora com tensão e outras com o mais puro caos, Mad Max: Estrada da Fúria é o primeiro épico pós-apocalíptico da história do cinema.

Compartilhe!

Author: André Morelli

Vida louca e próspera. morelli@popground.com.br

Share This Post On

Trackbacks/Pingbacks

  1. Entrevista – Gabi Franco (MinasNerds) | Popground - […] falando. Queremos vocês como parceiros, não como párias. Em segundo lugar: Assistam Mad Max. É basicamente aquilo. Em terceiro …
  2. Framboesa de Ouro 2016: os piores do ano | Popground - […] a edição do Oscar desse ano teve seus momentos, com os seis prêmios para Mad Max: Estrada da Fúria …
  3. Poptalk: a cultura pop pode mudar o mundo? | Popground - […] Mad Max: Estrada da Fúria – o filme de ação mais casca grossa de 2015 tinha o feminismo como …

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>