Resenha: A Teoria de tudo

Stephen Hawking

Eddie Redmayne, no complexo papel do físico Stephen Hawking.

Por Marjorie Pinheiro

Filme baseado na vida e obra de Stephen Hawking, A Teoria do Tudo conta a trajetória do físico teórico e cosmólogo britânico que através da matemática, provou a existência de Singularidades no tempo e espaço – locais onde todas as leis da física que conhecemos deixam de funcionar.

Pode parecer frio no primeiro momento – matemática, cálculos – mas não se engane: o diretor James Marsh acertou na dose dramática do longa mas sem pesar na personagem, criando uma forma leve de contar uma história pesada.

Stephen Hawking (Eddie Redmayne, que ganhou o Oscar por sua atuação) é diagnosticado aos 21 anos com ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), doença que atrofia os movimentos voluntários dos músculos sem atingir o cérebro.

Na prática o cientista foi gradativamente parando de andar, perdeu os movimentos das mãos e dos braços, não conseguia realizar tarefas básicas como se trocar e comer, até não conseguir mais falar após uma traqueostomia. Hawking só pode contar com seu intelecto e a ajuda de sua esposa Jane Wild (Felicity Jones).

Jane tem um papel significativo e é um dos pontos mais admiráveis do filme. Uma católica fervorosa e estudante de línguas, apaixonada por um ateu prestes a se tornar um dos maiores gênios da ciência moderna. Tudo para dar errado.

Felizmente Jane surge como um ponto de equilíbrio de Hawking com o mundo com o qual ele não consegue mais interagir fisicamente. Ela é a esposa paciente e dedicada, mas sem abandonar suas convicções e a religião que tanto preza.

A tolerância é praticada de forma constante entre o casal, que ainda teve três filhos. O divórcio ocorreu após 26 anos de união, e a forma amigável que a separação ocorreu merece destaque. Hawking casou-se novamente com sua enfermeira, numa união que durou nove anos.

É inegável que a biografia na forma de filme está mais calcada no livro Travelling to Infinity: My Life with Stephen de Jane Wilde, do que na ciência presente na vida de Stephen Hawking. De qualquer forma, o ator Eddie Redmayne brilha na pele do gênio, hora doente e atrofiado e nos flashbacks em que aparece como um promissor estudante de Cambridge.

A Teoria do Tudo é uma história densa no que diz respeito à doença e o modo avassalador que toma conta da vida da personagem, mas a delicadeza, tolerância e principalmente o amor fazem com que tudo seja possível e o melhor do filme: sem vitimizar ninguém.

Compartilhe!
Marjorie Pinheiro

Author: Marjorie Pinheiro

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>